Título original: Perdida
Autor: Carissa Rissi
Páginas: 472
Editora: Baraúna
Lançamento: 2013
Avaliação: ★★★★



Sinopse: Sofia vive em uma metrópole, está habituada com a modernidade e as facilidades que isto lhe proporciona. Ela é independente e tem pavor a menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são os que os livros lhe proporcionam. Mas tudo isso muda depois que ela se vê em uma complicada condição. Após comprar um novo aparelho celular, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século XIX, sem ter ideia de como ou se voltará. Ela é acolhida pela família Clarke, enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de voltar para casa. Com a ajuda de prestativo Ian, Sofia embarca numa procura as cegas e acaba encontrando algumas pistas que talvez possam leva-la de volta para casa. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos...


Eu não conhecia os livros da Carina Rissi, já tinha visto alguns comentários e tudo mais, mas nada que me chamasse a atenção. Uma amiga estava lendo e disse que o livro era realmente bom. Ela me mandou o pdf dele e eu li. Li em menos de 3 dias. Fiz a resenha dele para que você -que talvez já tenha ouvido falar, mas nunca leu- possa conhecer um pouco mais da história e se fascinar com o livro assim como eu.


“E não tem nada de errado em gostar de histórias de amor, pelo menos nos livros elas tem finais felizes! Não machucam ninguém.”

   Após uma noite agita com os amigos e de ter deixado seu celular cair na privada. Esse poderia ser o fim do mundo para ela. Sofia é viciada por tecnologia e não se imaginava vivendo sem seu celular multifuncional. No dia seguinte Sofia sai para comprar outro celular e se depara uma vendedora meio estranha, que lhe oferece um aparelho com muitas funcionalidades, único e para a felicidade de Sofia, não muito caro. Mas esse aparelho de celular tinha mais funcionalidades do que Sofia imaginava.


“Imagine que todas as pessoas têm sua outra metade e que, algumas vezes, passam por ela sem nem mesmo notar. Outras pessoas são mais atentas e as notam, têm a chance de escolher, e podem ser felizes por toda a vida.”

   Depois de comprar o celular, ao tentar ligá-lo, Sofia é mandada para o século XIX. Perdida -literalmente- ela conhece Ian, que a ajuda. Estranhando os modos, as vestimentas, a maneira de falar, ela descobre que está em 1830. Na mesma cidade, mas numa época totalmente diferente da que vivia. Ian a leva para a casa dele e tenta ajudá-la de toda forma. Sofia descobre que o celular a levou para lá e passa os dias tentando voltar para a casa, mas também aproveitando o que a ocasião lhe oferece. Se apaixona por Ian e se apega a todos da cidade. Começa a gostar do lugar e a se sentir em casa. Mas sabe que não pode se deixar levar, não pode se envolver  porque vai ter que voltar e deixar todos.

“Mas, apesar da estranha situação em que eu me encontrava, ainda era a vida real e não um faz de conta. As histórias nunca terminavam bem na vida real.”

   Sofia recebe mensagens no celular lhe avisando sobre as fases concluídas, como se uma missão estivesse sendo feita. Missão da qual ela não tinha conhecimento. Estava ficando sem tempo e não queria mais ir embora, estava apaixonada e se sentia em casa. Como se finalmente tivesse encontrado seu lugar. Mas ela volta, mesmo sem querer. Desesperada para voltar para Ian ela procura a mulher que vendeu o celular para ela e que a colocou naquela situação complicada.  


“Mas, apesar da estranha situação em que eu me encontrava, ainda era a vida real e não um faz de conta. As histórias nunca terminavam bem na vida real.”

   Quando consegue encontrar a vendedora, Sofia implora para ela faça algo que a mande de volta ao século XIX. A mulher então explica que foi tudo um engano. Que não era para Sofia ser mandada para um século passado. Era apenas para mostrar que o amor existe e que ele pode fazer coisas incríveis. Ela só queria que Sofia encontrasse o amor de sua vida, ela só não sabia que ele estava em outro século. Então ela deixa que Sofia escolha seu destino, ficar e viver a vida que tinha antes ou ir e ficar ao lado de Ian para sempre. Sem muitas dúvidas sofia escolhe ir e ela volta.


“Eu não entendia o que levava uma pessoa lúcida a se casar. Se bem que a maioria das pessoas não parecia gozar de plena sanidade quando estava apaixonada.”
   A história é narrada por Sofia. Tem uma linguagem simples e muito fácil de se compreender. É uma leitura rápida, apesar de alguns momentos do livro serem lentos, o que só aumenta a ansiedade para saber o que irá acontecer nos próximos capítulos. O legal é que, em alguns momentos, achei a personagem parecida comigo. E, na minha opinião, ler um livro que tem algo que se pareça com você, faz com que a história te prenda mais. E foi o que aconteceu. 
   A autora já lançou um segundo livro, com a continuação, chamado Encontrada e o que posso dizer, até o momento, sobre isso é: Mal posso esperar para ler.

E você, já leu esse livro? O que achou? Comenta aí!



Deixe um comentário